Sejam bem-vindos ao Dove Cameron Brasil, a sua maior e melhor fonte de informações sobre Dove Cameron no Brasil e no mundo! Aqui você encontrará notícias, fotos e vídeos da atriz e cantora Dove Cameron e muito mais. Este é apenas um fã-site, feito de fã para fã. O DCBR não tem a intenção de infringir nenhum copyright; o site é completamente sem fins lucrativos. Caso queira qualquer mídia removida, não hesite em entrar em contato! Esperamos que gostem e voltem sempre!

Começando setembro da melhor forma! Foi divulgado na tarde de hoje, 01, oito imagens em alta qualidade da Dove Cameron posando para Grazia em novo ensaio fotográfico acompanhado de uma entrevista em que a atriz fala sobre sua rotina, seus últimos projetos e futuros planos para a carreira.

Confira a tradução abaixo:

Dove Cameron vive para o exagero. Na verdade, ela faz mais do que viver para isso: “Eu vivo, como, durmo, respiro, morro pelo exagero!” ela exclama. “O exagero é o meu ingrediente número um mais importante! Eu acho que a maioria das coisas deve ser feita com a sensibilidade do exagero. E todas as minhas coisas favoritas têm grandes elementos de exagero.” (Para ser clara, estamos falando sobre a marca de exagero Susan Sontag – não sobre a escapadela de verão dos seus filhos.)

Ela faz uma pausa e ri de si mesma. “Eu já disse ‘exagero’ tantas vezes que vai parar de soar como uma palavra!”

Outras coisas que não parecem palavras: Schmigadoon! Ao mesmo tempo uma paródia e um tributo aos musicais da Idade de Ouro de Hollywood, a comédia da Apple TV + trata de um casal aparentemente satisfeito, interpretados por Cecily Strong e Keegan-Michael Key, que tropeçam em uma vila encantada durante uma caminhada e descobrem que são incapazes de fugir das cores saturadas, da paisagem artificial e do canto incessante até encontrarem o amor verdadeiro – um com o outro ou com outra pessoa. A cidade de Schmigadoon é povoada por tropas exageradas: a oprimida e crítica esposa do ministro, (Kristin Chenoweth); o ex-prefeito (Alan Cumming); o adorável gato (Aaron Tveit); a professora virtuosa e independente (Ariana DeBose). Cameron interpreta Betsy, a jovial filha do fazendeiro que inicialmente tenta o personagem de Key. É um papel exagerado a um nível elevado que ela abraçou com gosto.

“Eu a vejo não como uma pessoa tanto quanto ela é uma ideia da fantasia masculina projetada, o espírito coletivo de como uma mulher deveria ter sido naquela época,” Cameron diz sobre o personagem. “Toda aquela ideia de inocente como uma rosa sempre costumava me irritar. Eu me lembro de assistir [musicais] aos oito anos e ficar tipo, Que m*rda é essa? Eu já sabia que era uma grande injustiça ser mulher no teatro musical.”

Schmigadoon!, entretanto, deu a ela a oportunidade de parodiar uma metáfora ingênua. “Foi tão divertido porque coisas como essas têm poder quando você não as reconhece”, explica Cameron. “Metáforas clássicas como essa só mantêm o poder sombrio, sombrio e feio quando permanecem desconhecidas. E quando estamos na sua cara sobre como eles são ridículos, é quando eles perdem o poder.”

E, afinal, não é disso que se trata o exagero? Fã devotada de RuPaul’s Drag Race, Cameron aproveitou algumas de suas rainhas favoritas para dar vida a Betsy. “O exagero é tão bonito e impactante porque é um reconhecimento da natureza humana, e também o outro lado dessa alegria, que é horrível, uma dor terrível e trauma e perda, sabe? Dois lados da mesma moeda, e é por isso que acho que há tanta humildade em render-se a parecer estúpida e permitir-se ser totalmente ousada em uma personagem como essa, ou em sua persona de drag, ou em sua expressão de seu arte – em todas essas coisas. É onde estão todos os sucos humanos!”

Cameron experimentou a sua parcela de tristeza e perda. Nascida Chloe Celeste Hosterman em Bainbridge Island, Washington, uma pequena comunidade insular em Puget Sound, ela descreve sua infância como uma estranha mistura de agudos altos e graves muito baixos. Para começar, a casa que ela e sua irmã dividiam com os pais estava constantemente em construção.

“Eu acho que a minha irmã com uma certa idade estava tipo, ‘eu quero uma escada no meu quarto e uma janela em formato de bolha!’ E meus pais ficaram tipo, ‘É brilhante. Uma ponte interna? Devemos ter isso!’”, ela lembra. O dinheiro era escasso, mas seus pais priorizaram a criatividade e a alegria e compensaram a falta de bens materiais com uma riqueza de experiências. “Eles tinham uma empresa fora da Índia, então eu e minha irmã viajamos muito para a Índia. Nós íamos a todos os lugares com eles, então eu nunca estive muito na escola pública. Tipo, seis meses dentro, um ano fora, três meses dentro, dois anos fora. Mas então, eu tinha um ótimo relacionamento próximo com [meus pais]. Sem estrutura, sem consistência, muita experiência.”

Por tudo isso, Cameron cresceu assistindo os filmes que seu pai gostava: Lawrence of Arabia, The Rocky Horror Picture Show, Gone with the Wild. À medida que sua a família se tornava cada vez mais instável, o cinema e a música se tornaram uma espécie de rota de fuga para Cameron. “Eu acho que me apaixonei pela ideia de como era o mundo nos filmes, em comparação com o que meu mundo realmente parecia”, lembra ela. Os seus pais se divorciaram, e seu pai, que lutava com problemas de saúde mental, morreu por suicídio quando ela tinha 15 anos. “Não é como se isso surgisse do nada”, explica ela. “Sua vida sempre foi emocionalmente volátil para ele. E assim, como os seus filhos, viemos naquela viagem com ele.”

Mas enquanto um aspecto de sua vida estava desmoronando, sua carreira estava prestes a decolar. Nessa época, Cameron, que morava em Los Angeles com sua família, foi escalada para um piloto que se tornaria a série para adolescentes do Disney Channel, Liv & Maddie. Ela interpretou as gêmeas titulares do programa por quatro temporadas, ganhando um Daytime Emmy de Melhor Artista em Série Infantil, e estrelou em outra propriedade da Disney, a franquia Descendentes, uma série de filmes de TV sobre os filhos adolescentes de vilões clássicos da Disney.

A fama não veio fácil para Cameron. Ela se lembra de ter um ataque de pânico e se esconder em um Nordstrom na primeira vez que um fã a viu no The Grove. “Eu estava tipo, Oh, isso é terrível! Não fui feita para isso”, lembra ela. “Então, isso foi assustador, sabe? Passei do colégio para isso. E você só sabe realmente como isso vai interagir com a sua biologia quando acontecer. Desculpe dizer, pensei que sabia que ia ficar bem com isso, e você simplesmente não sabe.”

Cameron levou anos para se acostumar a ser reconhecida em público. Estranhamente, ela credita o ano passado em relativo isolamento por recalibrar seu senso de identidade. “Tive, tipo, um ano em que simplesmente não fui testemunhada por ninguém. E eu não fui reconhecida e não fui a nenhum evento”, explica ela. “E eu acho que quando eu pude deixar meu sistema nervoso voltar ao equilíbrio que eu tinha antes de ser exposta aos olhos do público, então eu poderia curar tudo o que não estava reagindo bem em mim. Costumava me deixar em um estado de terror, eu acho, e agora eu sinto que posso lidar com isso, porque… eu não sei. Eu acho que tenho uma noção melhor de quem sou.”

Hoje em dia, Cameron se encontra em uma fase totalmente nova de sua vida e carreira. No ano passado, ela se assumiu publicamente como bissexual. Ela está saindo com alguém pela primeira vez. (“Eu sempre entrei em relacionamentos monogâmicos altamente românticos e públicos que duram quatro anos com homens heterossexuais!”) Ela finalmente conseguiu construir uma comunidade de músicos e compositores ao seu redor em LA e está ansiosa para possivelmente lançar um novo EP em algum momento. Ela quer continuar fazendo de tudo: música, TV, cinema, teatro. Ela está particularmente interessada em fazer mais ação e ficção científica. “Tenho uma obsessão muito específica por Tron, Cyberpunk, Ex Machina”, diz ela. “Parece tão f*didamente divertido! E também, é como o mundo em que eu quero viver. Como em um videogame!”

Isso se parece muito com o que ela está fazendo em Powerpuff. O próximo reboot da live-action da CW do amado desenho animado dos anos 90, As Meninas Superpoderosas, tem sido objeto de muito apreciação online, especialmente desde que foi anunciado que a rede estava filmando novamente o piloto. Cameron, que interpreta Lindinha, a mais doce do trio superpoderoso, insiste que isso é totalmente normal. Muitos programas são refeitos antes mesmo de nós os vermos. “Mas, como o Powerpuff é uma propriedade intelectual tão amada, sinto que há um ar de conspiração. Como se algo grande e ruim tivesse acontecido”, explica Cameron. “Vamos apenas voltar e fazer de novo com alguns ajustes e talvez um vilão diferente e provavelmente alguns sapatos mais caros.”

Uma atualização, uma oportunidade de melhoria. Isso se parece muito com o projeto Dove Cameron em andamento – pelo menos, como a própria Cameron o descreve. Ao longo de nossa conversa, ela mencionou as maneiras como sua perspectiva mudou em certas coisas – sua vontade de representar, seu gosto precoce de sucesso, a morte de seu pai. “Acho que tudo na vida depende de como você se sente a respeito de si mesmo”, diz ela. “Eu me sinto muito mais autônoma e me amo. Levei muito tempo para me amar e ainda mais para gostar de mim mesma. E agora que sinto que fiz as duas coisas com o melhor de minha capacidade até agora – até redefinir o que isso significa novamente – simplesmente mudou tudo. Quando você não se odeia mais, o mundo se abre.”

Clique em qualquer miniatura abaixo para conferir imagens em alta qualidade do ensaio fotográfico:

7641DF86-DB1C-4BEE-87B2-A0F48580F32D.jpeg 4F036E1A-6E12-44A1-95D8-D1D060DAE4D4.jpeg 914B9D54-D203-4C78-B420-66E5D2A6D256.jpeg 477DBCF4-498A-4F7C-A266-9EF44770755B.jpeg D23897FA-03AB-4289-A74E-134CAD4320DF.jpeg

Tema criado e desenvolvido por lannie d.
todos os direitos reservados ao dove cameron brasil

online