Sejam bem-vindos ao Dove Cameron Brasil, a sua maior e melhor fonte de informações sobre Dove Cameron no Brasil e no mundo! Aqui você encontrará notícias, fotos e vídeos da atriz e cantora Dove Cameron e muito mais. Este é apenas um fã-site, feito de fã para fã. O DCBR não tem a intenção de infringir nenhum copyright; o site é completamente sem fins lucrativos. Caso queira qualquer mídia removida, não hesite em entrar em contato! Esperamos que gostem e voltem sempre!

Em entrevista para o site Refinery29, Dove Cameron falou sobre sua orientação sexual, seu projeto “Schmigadoon!” para a Apple TV+ e futuro projeto musical que está sendo produzido pelo vencedor de 8 Grammys Finneas O’Connel.

Confira a entrevista traduzida abaixo:

Uma bissexual que se apaixona forte e rapidamente, Cameron sempre foi uma romântica. “Havia uma garota, seu nome era Erin, nos conhecemos no teatro [aula]”, Dove se lembra. “Estávamos tomando banho, como fazem as crianças de 8 anos”. Ela estava lavando meu cabelo, e disse: ‘Eu te amo, estou apaixonada por você’. Eu estava tipo, ‘Eu também estou apaixonada por você’. Nós tínhamos 8 anos, mas continuou a partir daí até nossa adolescência – dávamos as mãos, nos beijávamos, era amor precoce”. Ela sempre soube que não era heterossexual. “Quando as meninas estavam tendo paixões por meninos, eu também estava tendo paixões por meninos, mas eu também estava tendo paixões por meninas”. Ela esperou até uma live em seu Instagram em 2020 para se assumir publicamente e pôr um fim à ambiguidade. “Pessoal, eu realmente preciso explicar algo para vocês”, disse ela aos seus fãs. “Talvez eu não o tenha dito, mas sou super queer”. Foi revelador para seus seguidores, mas não até sua entrevista para o Gay Times de junho de 2021, onde sua bissexualidade pareceu explodir publicamente. “As pessoas precisam que eu tenha um maldito megafone”, diz ela. “Eu me assumi há um ano atrás e pensei que ia ser apenas isso. Eu não percebi que ninguém sabia”.

É difícil imaginar uma estrela da Disney abertamente queer prosperando há apenas alguns anos, da era de Demi Lovato, Selena Gomez e Miley Cyrus. “Quando entrei na indústria, havia tanta feminilidade performática acontecendo, especialmente por volta de 2012, especialmente por ser loira no canal Disney. Eu não tinha nenhuma chance”, explica ela. “Com 15 anos de idade, meu pai tinha acabado de falecer, e havia muita procura de validação masculina, certo? Tentando agradar a uma grande corporação como a Disney, nunca tive uma conversa com eles sobre minha sexualidade. Eles nunca me pediram para esconder nada”, diz ela sobre sua identidade de passagem hétero. “É que as pessoas me vêem e dizem: ‘Oh, mulher, heterossexual, loira’. Quem vai olhar para mim e pensar o contrário? Todo mundo sabia que Kristen Stewart era gay. Ninguém vai pensar que eu sou gay. Ninguém”.

Em vez de ruminar sobre as formas como a percepção pública coloca limites sobre quem ela realmente é, Dove resolve “diminuir” as coisas que ela não pode mudar, o que ela chama de “problemas mortais”, e concentrar-se no que é mais importante: seu senso de si mesma. “Eu preciso priorizar a qualidade de minha vida pessoal. Parece que seria cansativo e decepcionante, e desnecessariamente perturbador se virar contra [minha imagem]”, continua ela. “Eu teria que trabalhar de forma não natural para me enfurecer contra minha imagem pública, e há algo realmente não autêntico sobre isso”.

Se isso soa auto-suficiente, há uma boa razão. Ela é motivada pelo que ela descreve como “uma necessidade compulsiva e profunda de proteger [sua] humanidade”, que se manifesta em conversas francas sobre saúde mental, o tipo de sabedoria que vem da terapia. “Eu não preciso que o mundo saiba que passei por intermináveis noites escuras da alma, períodos ilimitados de depressão crônica, ansiedade, trauma, perda e tragédia. Não preciso viver isso”, diz ela. Quando ela compartilha detalhes íntimos sobre sua vida, é uma “prática saudável” destinada a “refrescar meus sucos humanos”, diz ela. “É a mesma razão pela qual eu vou e faço tatuagens com tanta freqüência”. É como: ‘Estou viva, sou dona deste corpo, tenho plena autonomia’. Eu sou humano”. Eu estou sempre em processo. Acabei de tropeçar em um monte de depressão”.

“Schmigadoon!”, o mais recente projeto de Cameron, chega à Apple TV+ 16 de julho, é uma comédia musical que parodia musicais antiquados do gênero sing-along. Apresentada na década de 1940, a série mostra um elenco all-star com: Cecily Strong, Alan Cumming, Keegan-Michael Key, e Kristin Chenoweth, com quem Cameron trabalhou em “Descendentes” e “Hairspray Live!”. “Profissional e gentil, risonho e feliz”, é como a lenda da Broadway descreve Cameron. “Eu nunca tive filhos, mas tenho muitos em minha vida que amo e cuido”, diz Chenoweth. “Eu a considero minha”.

Cameron interpreta a Betsy, uma loira americana com um vestido de camponesa. Você poderia chamar Betsy de a manifestação física do olhar masculino. Você também poderia chamá-la de uma expressão paródica do sistema que tem entendido mal o elenco feminino para interpretá-la por tanto tempo, entregue com humor subversivo. “Betsy é uma piada”. Tudo isso é uma grande piada. Tudo o que ela diz e faz é mandar o feminismo de volta 50 anos atrás, e é por isso que é engraçado”, diz Cameron. “Eu adoro brincar de personagens exagerados”. Eu não quero nunca interpretar um personagem que eu ache chato”. Obviamente, a [Betsy] é sexista para caralh*, mas dizemos isso”.

O verdadeiro gênio na performance (sem spoilers!) é a entrega de Cameron – derrubando um estereótipo frequentemente usado, na vida real, para limitar tantas mulheres. O ator britânico Alan Cumming ficou deslumbrado com a atuação brilhantemente autoconsciente de Cameron. “Ela é a garota peituda com o pai furioso”, diz ele. “Ela trouxe tanta sagacidade a ela. É ótimo quando alguém entende a paródia que está fazendo e pode quase se parodiar, de certa forma… Ela é muito gentil, muito atenciosa, e eu realmente acho que – quando se considera a indústria em que ela está e há quanto tempo ela está nela – é um milagre”.

Enquanto Cameron espera a estreia de Schmigadoon! em 16 de julho, uma série cuja sensibilidade é “tão louca que não acredito que estamos lançando”, ela está trabalhando em seu primeiro albúm solo. Não fique muito animado, mas ela tem colaborado com seu bom amigo Finneas O’Connell, irmão e produtor de Billie Eilish. “Tem sido incrível passar tempo com ele”. Falamos de tudo, desde epigenética à física quântica, ao nosso lugar favorito de bagel, à maneira como nos sentimos como loucos a vida inteira e ao que o tio dele diz”, explica ela. O trabalho deles ainda é iniciante, e qualquer detalhe é um segredo. O que ela [Dove] diz é que não está cedendo ao desejo de ninguém de fazer um trabalho que se preste a categorização.”

“Eu não quero escolher um som”, diz ela. “Isso me torna difícil de comercializar, e é com isso que estou me defrontando neste momento”. Mas há uma linha de partida em minhas canções: Elas têm senso de humor, têm a sensação de abrigo, têm a sensação de um empurrão e um piscar de olhos”.

Ela pode também estar se descrevendo como: abstrata, fluida, sombriamente engraçada, teatral – uma combinação dos personagens que ela retratou na tela e da pessoa multidimensional que ela está fora dela. Finalmente, e em registro, as múltiplas multiplicidades de Dove Cameron estarão em exibição total.

Clique em qualquer miniatura abaixo para conferir fotos do ensaio fotográfico:

DA5F561F-12A7-46D6-B6B8-D0B86465FCAC.jpeg 7B463D9D-89E4-4AF5-9329-13C0CCB64BEE.jpeg DD7E1F6F-DC31-4066-8C20-AB0EE592CBD3.jpeg 9CBF4C0F-F6E2-4E92-87BF-EF439CCE3639.jpeg 149A1C10-EF1C-4092-9D3A-D24AE3A6C2B7.jpeg

Tema criado e desenvolvido por lannie d.
todos os direitos reservados ao dove cameron brasil

online