Dove Cameron sempre usou seu feed do Twitter para encorajar seus seguidores, e na terça-feira, 09,  à noite, sentiu-se compelida a compartilhar um dos textos do seu diário pessoal com seus seguidores, onde abriu sobre uma das suas maiores inseguranças quando criança: a pele pálida.

“Pensando para trás, todo o caminho de volta, sempre deixei outras pessoas definir muito por mim, especificamente sobre mim”, escreveu ela.

Não era tanto sua pele pálida em si mesma que a fazia insegura, mas como seus sentimentos eram revelados porque ela corava com facilidade. “Corando ou ficando vermelha quando estou envergonhada, nervosa correndo na academia”, Dove continua “Começando a estar ciente disso aos oito anos, e odiando minha pele pálida por revelar meus pensamentos e, portanto, sentir a necessidade de cobrir com meu pó da Chanel todos os dias como armadura. Assim, provavelmente começando meu amor ao longo da vida com maquiagem”.

Mas em algum momento, Dove percebeu que sua pele pálida e os sentimentos que revelava não eram para se envergonhar.

“Mas, embora este seja um exemplo microcósmico, e aquele que não tem praticamente nenhum peso, quem quer dizer que o rosa, o calor, o sangue acelerado sob suas bochechas não é simplesmente divino?”, diz Dove “Não é vitalidade? Não é uma presença intensa e todos os seus sistemas se encaixando um com o outro. Sensibilidade que se comunica e traduz? Eu sinto um desejo intenso de redefinir-me e minhas opiniões sobre mim agora que eu conheço ninguém sabe melhor”.

Tradução & Adaptação: Dove Cameron Brasil