A Fórmula TV conversou com Dove Cameron e Cameron Boyce. Ambos asseguram que a continuação da história torna os personagens maduros e deixa a porta aberta
para um terceiro filme. Confira a entrevista traduzida.

FT: Como foi voltar aos papeis de Mal e Carlos?

DC: Foi algo realmente excitante para todo o elenco, para re-interpretar nossos personagens. A verdade é que não me lembro da data exata em que começamos a filmar.

FT: O que mudou em seus personagens em relação ao primeiro filme?

DC: No primeiro filme, as nossas personagens foram tratadas como crianças. Agora, em ‘Os Descendants 2’, temos que saber lidar com nossos problemas e nos encontrar.
E que temos que fazer isso sozinhos. Mostramos a responsabilidade que as nossas personagens têm de enfrentar. Temos de encontrar o nosso lugar no reino de Áuradom,
e também temos que enfrentar o retorno à Ilha dos Perdidos.

FT: Como seus personagens enfrentaram o retorno à Ilha dos Perdidos?

DC: Em “Descendentes”, as nossas personagens eram mais jovens e os sentimentos que sentiram quando saíram da Ilha foram completamente diferentes do que eles tiveram em
“Descendentes 2”. Eles deixaram a Ilha dos Perdidos muito irritados e também temiam muito porque não sabiam o que encontrariam ou como seriam tratados.
Mal percebeu que seu lugar não é em Áuradom, então ela decide ir para casa para encontrar-se e novamente com aquela Mal segura e autoconfiante.

FT: Que mensagem podemos obter depois de ver ‘Descendants 2’?

DC: O que aprendemos em “Descendentes” foi destacar as atitudes que nos tornaram diferente dos outros. No entanto, agora, por exemplo, Mal descobre que tudo não é
a preto e branco. O filme nos ensina que existe uma posição intermediária entre ser um herói ou ser um vilão.

FT: Haverá uma terceira parte da história (um terceiro filme)?

CB: Nós adoraríamos! Mas você nunca sabe.

FT: Como foi voltar a trabalhar com Kenny Ortega?

CB: Kenny é uma lenda! Ele é uma pessoa muito positiva.

 

Tradução & adaptação: Dove Cameron Brasil